SIGA:
Busca:

Envelhecimento e felicidade

Dizem que devemos aproveitar a vida enquanto somos jovens. Dizem que quando ficamos velhos, a energia não é mais a mesma. Mas quando esse dia chegar pra mim,
pretendo aproveitá-lo o máximo possível. Obviamente não terei mais vontade de fazer algumas coisas que faço hoje, terei vontade de fazer coisas novas, coisas que irão chamar minha atenção. O importante não é o que eu irei fazer, mas sim se isso me deixará contente.
Quero envelhecer feliz, fazendo coisas que eu gosto, conhecendo novos lugares, novas pessoas e não deixando que o peso da idade acabe com a minha vida. O envelhecimento
para alguns é algo ruim. O simples fato de ficar velho assusta a sociedade em geral.
Cada dia que passa ficamos mais velhos, e mesmo assim não deixamos de aproveitar a infância, a adolescência, a fase adulta. Então, por que tem que ser diferente quando
ficamos velhos? Por que a velhice não é uma etapa a ser aproveitada?
Talvez porque pensamos que tudo acaba nesta fase. Mas, não acaba não. Na verdade, apenas começa. Começa outra fase, outra opinião sobre a vida, outras experiências. E
tudo o que vivemos anteriormente fica presente na nossa memória, mas isso não significa que não podemos mais sair com amigos, viajar, se divertir. Pelo contrário, é essencial revivermos nossas experiências e viver outras.
A única diferença é a idade, mas ela não importa tanto assim. Deveríamos mudar esse pensamento que a velhice é a pior fase da vida. Talvez se olhássemos de uma forma
diferente essa situação veríamos que não tem nada de errado em ficar velho. É apenas uma fase. Talvez a última. Mas a idade é apenas um número, um número que assusta
sem motivos. É importante olhar ao nosso redor e nos inspirar em algumas pessoas mais velhas. Perceber que os anos passam, mas a essência da vida continua presente em cada
um de nós.
Julia Gehring Sandri
16 anos, Centro Tecnológico Universidade de Caxias do Sul
Caxias do Sul (RS)

Texto retirado do livro “Concurso de redação: Como quero envelhecer, 2016” lançado pela SBGG.

Comentários