SIGA:
Busca:

foto_destaque_viajar

Ele gostava de viajar, não pode mais?

O lazer deve ser encarado como necessidade básica. Assim, todos os hábitos e preferências do idoso com Alzheimer devem ser mantidos e adaptados segundo o grau de dependência apresentado, visando preservar e manter, por longo tempo, atividades que produzam bem estar.

Uma das alterações que o idoso apresenta é a desorientação espacial. Deve-se ter muito cuidado com mudanças de ambiente, que produzam estranheza e possam provocar crises de delírio, agitação e alucinação.

As viagens são indicadas, desde que curtas.

Caso seja de carro, o motorista deve avaliar a necessidade de parar o veículo a intervalos de tempo que não excedam 2h, para dar oportunidade ao idoso de caminhar, alimentar-se ou ir ao banheiro.

Evitar viagens de automóvel no meio do dia, especialmente no verão.

É aconselhável iniciar uma viagem de carro, ao amanhecer, aproveitando que o idoso, na maioria dos casos, acorda cedo.

As viagens de avião também são permitidas, porém deve-se levar em conta as horas do vôo. Converse com o médico do idoso. Apenas ele poderá avaliar a necessidade ou não de medicá-lo para que o idoso fique tranqüilo durante a viagem.

Nas paradas, jamais se descuide do idoso, mantenha-o identificado (pulseiras, medalhas, etiquetas).

Se houver um comportamento inadequado em público, discretamente retire-o do ambiente. Infelizmente para as pessoas que desconhecem a doença, alguns comportamentos apresentados provocam risos. Não permita que o paciente sinta-se exposto ao ridículo. Ele está sob sua responsabilidade. Trate-o com amor e respeito.

Comentários